CONHEÇA OS 6 TIPOS DE HORMÔNIOS E SUA INFLUÊNCIA SOBRE O NOSSO HUMOR

Os diferentes tipos de hormônios fabricados pelo nosso corpo não desempenham somente funções vitais para controlar determinados processos biológicos. Queiramos ou não, eles condicionam o nosso comportamento e até mesmo o nosso humor. Além disso, qualquer desequilíbrio hormonal pode nos levar a uma depressão ou a ver e sentir a nossa realidade de uma maneira muito diferente.

Todos nós gostamos de pensar que temos controle total sobre o nosso comportamento, nossos pensamentos e sobre cada uma das ações que realizamos. No entanto, estamos completamente subordinados a esse pequeno universo, poderoso e muitas vezes caótico, que são os nossos hormônios. Esses mensageiros proteicos responsáveis pela regulação de uma infinidade de processos metabólicos também permeiam o nosso cérebro, controlando o nosso comportamento e até mesmo o tipo de pensamentos que podemos ter.

rostos-superpostos

Estamos conscientes de que, visto dessa maneira, pode parecer perturbador, porque poucas coisas podem ser tão perturbadoras como não ter o controle total sobre os nossos estados de ânimo. No entanto, devemos ter em mente que muitos desses desequilíbrios hormonais podem ser corrigidos através de um estilo de vida saudável. Nos alimentarmos corretamente, praticar esportes, gerenciar o estresse e estabelecer visitas periódicas com os nossos médicos de confiança pode ser de grande ajuda.

Não podemos esquecer, por exemplo, que diversas pessoas experimentam várias alterações comportamentais, estados de desamparo e apatia sem saber que sofrem de algum tipo de alteração na glândula da tireoide. Portanto, uma grande parte desses desequilíbrios associados aos diferentes tipos de hormônios podem ser tratados, seja através de medicamentos ou pela melhoria dos nossos hábitos de vida.

Tipos de hormônios e estados de ânimo associados a eles

Carla tem 35 anos e acabou de ter o seu primeiro filho. Ela construiu uma carreira bem sucedida, ocupava uma boa posição na empresa e tudo na vida dela estava perfeito até o nascimento do seu bebê. Algo imprevisto e ainda menos imaginado aconteceu. Ela se sentia incapaz de sair da cama, incapaz de cuidar do filho, de retornar à sua realidade e enfrentar essa nova etapa da sua vida.

Carla está sofrendo de depressão pós-parto, além de hipotireoidismo. Ela não escolheu esse estado de ânimo, ela não é uma mãe ruim ou desistiu da vida. Este exemplo simples, mas comum, nos mostra como o desequilíbrio de um certo tipo de hormônio pode afetar o nosso comportamento, o estado emocional e os pensamentos de uma maneira realmente devastadora.

Neste artigo veremos quais são os principais tipos de hormônios que influenciam o nosso comportamento e humor.

1. Cortisol

O cortisol é o hormônio que controla os estados de estresse e ansiedade. No entanto, a sua mera presença no nosso corpo não significa que perderemos o controle ou experimentaremos um estado de ansiedade. A chave está na quantidade que é liberada, no equilíbrio.

O cortisol é um hormônio glicocorticoide que é sintetizado a partir do colesterol justamente em algumas glândulas localizadas nos nossos rins (suprarrenais ou adrenais). Graças a ele, temos energia suficiente para nos levantarmos pela manhã, para começarmos as nossas tarefas e atividades diárias, e também reagirmos diante de situações que o nosso cérebro interpreta como perigosas.

O problema com este tipo de hormônio é quando ele é secretado em excesso. Quando acreditamos que apenas os problemas nos cercam, quando a vida se torna muito exigente e tudo parece escapar das nossas mãos, o nosso corpo libera muito cortisol.

Assim, no caso mencionado anteriormente, podemos dizer que a ciência já comprovou que as mulheres que experimentam um aumento de cortisol no sangue durante a gestação apresentam um risco maior de sofrer de depressão pós-parto.

2. Oxitocina

A oxitocina é um “hormônio polivalente”. Ela é composta por nove aminoácidos, regula a maioria dos nossos comportamentos prossociais, como os relacionamentos de casal, a sexualidade, a amizade, a necessidade de cuidados, a amamentação… Uma queda nos nossos níveis de oxitocina pode favorecer o aparecimento dos estados depressivos, tristeza, desamparo e um processo igualmente curioso: a falta de empatia.

Conforme demonstrado em um artigo publicado durante uma das conferências anuais da Sociedade Britânica de Endocrinologia, as pessoas com baixo nível de oxitocina apresentam resultados piores nas tarefas de empatia.

3. Melatonina

A melatonina sempre provocou grande interesse nas instituições científicas e seus pesquisadores. Sabemos que regula os nossos ciclos de sono e vigília. No entanto, nos últimos anos, comprovou-se que esse hormônio também retarda o envelhecimento precoce e atua como um protetor neurológico.

  • A melatonina ou a N-acetil-5-metoxitriptamina é um hormônio sintetizado a partir do triptofano e produzido na glândula pineal. Um nível adequado deste hormônio favorece o nosso descanso e também sincroniza os ritmos dos nossos neurotransmissores cerebrais.

  • Por sua vez, um déficit de melatonina não causa somente insônia. Podemos experimentar também um enfraquecimento dos nossos processos cognitivos (menos atenção, perda de memória…), e ainda um maior risco de doenças neurodegenerativas.

4. Os hormônios da tireoide

Os hormônios tireoidianos são macromoléculas cujo equilíbrio preciso, queiramos ou não, favorece o nosso bem-estar, o nosso estado de espírito e a saúde. Eles intervêm em praticamente todos os processos metabólicos e funcionais do nosso organismo que regulam esse universo endócrino onde o T1, T2, T3, T4, e TSH desempenham um papel indispensável.

Para que a tireoide desempenhe o seu trabalho de forma harmônica e precisa, ela necessita de matérias-primas, como o iodo ou vitamina B12. Curiosamente, estes são dois elementos que geralmente não estão muito presentes nas nossas dietas ocidentais…

5. Adrenalina

Como dizem, a ansiedade é um monstro que se alimenta da adrenalina. No entanto, esse tipo de hormônio é realmente tão negativo? De modo algum, não devemos rotular nada. Estamos diante de uma substância polivalente, como a dopamina ou a oxitocina.

  • A adrenalina tem um enorme impacto sobre o nosso comportamento. Graças a ela, ativamos o nosso instinto de sobrevivência, nos motivamos para sermos melhores a cada dia, a desfrutar dos nossos relacionamentos, a sermos mais produtivos no trabalho ou no esporte…

  • No entanto, um excesso de adrenalina no nosso organismo provoca estados de ansiedade. Por outro lado, um déficit nos níveis de adrenalina causa depressão, baixa motivação, desinteresse, apatia, indecisão…

6. Endorfinas

As endorfinas são, sem dúvida, os nossos hormônios preferidos. Existem cerca de 20 tipos de endorfinas no corpo humano e estão distribuídas em várias áreas: na glândula pituitária, em outras partes do cérebro e no sistema nervoso.

Esses compostos químicos interagem com os receptores opioides neuronais para reduzir a percepção da dor e agem da mesma maneira que a morfina e a codeína. Além disso, uma boa “dose” de endorfinas nos faz experimentar estados de euforia e bem-estar, algo que costuma acontecer quando, por exemplo, realizamos tarefas que o nosso cérebro considera como “positivas”, como praticar esportes, desfrutar das nossas amizades, da comida, da sexualidade…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *